Orgão Oficial

ABCD - Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva - Brazilian Archives of Digestive Surgery

Número: 27.3 - 19 Artigos

Voltar ao Sumário

Artigo de Revisão

Anastomose esofagogástrica manual versus mecânica pós-ressecção esofágica: revisão sistemática e metanálise

Hand-sewn versus stapler esophagogastric anastomosis after esophageal ressection: sistematic review and meta-analysis

Paula Marcela Vilela CASTRO, Felipe Piccarone Gonçalves RIBEIRO, Amanda de Freitas ROCHA, Mônica MAZZURANA, Guines Antunes ALVAREZ

Resumo

INTRODUÇÃO: Deiscências e estenoses anastomóticas pós-operatórias são eventos dramáticos que causam aumento da morbimortalidade; por esta razão é sempre importante avaliar qual é o melhor meio de se fazer as anastomoses. OBJETIVO: Comparar as técnicas de anastomose esofagogástrica manual e mecânica, após ressecção de neoplasia maligna de esôfago, quanto à ocorrência de fístula, estenose, sangramento, complicações cardíacas e pulmonares, mortalidade e tempo cirúrgico. MÉTODOS: Foi realizada uma revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados, que incluiu estudos de quatro bases de dados (Medline, Embase, Cochrane e Lilacs) usando a combinação dos descritores (anastomosis, surgical) and (esophagectomy). RESULTADOS: Treze ensaios clínicos randomizados foram incluídos, totalizando 1778 pacientes, sendo 889 no grupo da anastomose manual e 889 no grupo da anastomose mecânica. A anastomose mecânica reduziu o sangramento (p<0,03) e o tempo cirúrgico (p<0,00001) quando comparado à anastomose manual pós ressecção esofágica. No entanto, a anastomose mecânica aumentou o risco de estenose (NNH=33), complicações pulmonares (NNH=12) e mortalidade (NNH=33). Não houve diferença significativa em relação à formação de fístulas (p=0,76) e complicações cardíacas (p=0,96). CONCLUSÃO: Após ressecção de neoplasia esofágica, o uso da anastomose mecânica demonstrou reduzir o sangramento e o tempo cirúrgico, porém aumentou a incidência de estenose, complicações pulmonares e mortalidade.

Palavras-chave: Esofagectomia, Anastomose cirúrgica, Metanálise

Deiscências e estenoses anastomóticas pós-operatórias são eventos dramáticos que causam aumento da morbimortalidade; por esta razão é sempre importante avaliar qual é o melhor meio de se fazer as anastomoses.

OBJETIVO:

Comparar as técnicas de anastomose esofagogástrica manual e mecânica, após ressecção de neoplasia maligna de esôfago, quanto à ocorrência de fístula, estenose, sangramento, complicações cardíacas e pulmonares, mortalidade e tempo cirúrgico.

MÉTODOS:

Foi realizada uma revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados, que incluiu estudos de quatro bases de dados (Medline, Embase, Cochrane e Lilacs) usando a combinação dos descritores (anastomosis, surgical) and (esophagectomy).

RESULTADOS:

Treze ensaios clínicos randomizados foram incluídos, totalizando 1778 pacientes, sendo 889 no grupo da anastomose manual e 889 no grupo da anastomose mecânica. A anastomose mecânica reduziu o sangramento (p<0,03) e o tempo cirúrgico (p<0,00001) quando comparado à anastomose manual pós ressecção esofágica. No entanto, a anastomose mecânica aumentou o risco de estenose (NNH=33), complicações pulmonares (NNH=12) e mortalidade (NNH=33). Não houve diferença significativa em relação à formação de fístulas (p=0,76) e complicações cardíacas (p=0,96).

CONCLUSÃO:

Após ressecção de neoplasia esofágica, o uso da anastomose mecânica demonstrou reduzir o sangramento e o tempo cirúrgico, porém aumentou a incidência de estenose, complicações pulmonares e mortalidade. Palavras-Chave: Esofagectomia; Anastomose cirúrgica; Metanálise

INTRODUCÃO

A incidência do câncer esofágico, de acordo com National Cancer Institute, no período de 2006 a 2010 foi de 4,4/100.000 habitantes por ano, e no mesmo período a taxa de mortalidade foi de 4,3/100.000 habitantes por ano10. De acordo com o INCA, no ano de 2012 estimava-se 10.420 novos casos de câncer esofágico no Brasil, sendo 7.770 em homens e 2.650 em mulheres6. Portanto, trata-se de doença grave com prognóstico reservado.

A ressecção cirúrgica é um dos possíveis tratamentos do câncer esofágico. A anastomose esofagogástrica é componente básico e visa restaurar a continuidade alimentar15, podendo ser realizada através de sutura manual ou mecânica.

O advento da sutura mecânica, divulgada a partir da década de 60 por Ravitch e Steichen21, fez com que fossem desenvolvidos aparelhos caracterizados pela maior segurança, precisão e rapidez, tentando assim reduzir o risco de fistula anastomótica, além de simplificar a sua realização11 , 19 , 24. A anastomose mecânica (stapled) ocasiona menor trauma, permite uniformidade da anastomose e menor tempo cirúrgico; no entanto, aumenta custos e incidência de estenoses. A anastomose manual depende mais da experiência do cirurgião e certamente é mais barata que o método mecânico15.

As fistulas e a estenose pós-operatórias são eventos dramáticos que acarretam aumento na morbimortalidade; por isso, a importância de se avaliar qual a melhor maneira de realizar a anastomose. A fístula colabora para piorar a qualidade de vida dos doentes, impede a realimentação precoce, exige cuidados locais trabalhosos e prolonga o tempo de internação. Além disso, dos doentes que desenvolvem fístula, 30 a 50% evoluem para estenose. Ela ocorre em cinco a 46% dos casos operados e pode se manifestar até um ano após a operação8.

O objetivo desta metanálise foi comparar a anastomose esofagogástrica mecânica e a manual pós-ressecção de neoplasia maligna de esôfago.

MÉTODOS

Identificação e selecão dos estudos

Realizou-se busca eletrônica da literatura através das bases de dados Medline, Embase, Cochrane e Lilacs. No Medline, utilizou-se a combinação de termos (anastomosis, surgical) AND (esophagectomy) na interface Clinical Queries (Therapy/Narrow[filter]). No Embase, utilizou-se a seguinte estratégia de busca: (anastomosis, surgical) AND (esophagectomy) AND (randomized controlled trial). Na base Lilacs e Cochrane, utilizou-se a estratégia (anastomose cirúrgica) AND (esofagectomia). Ainda, realizou-se busca manual nas referências dos estudos encontrados. As buscas foram encerradas em 2 de julho de 2013.

Os artigos foram selecionados, de forma independente e aos pares, através da leitura dos respectivos títulos e resumos. Qualquer divergência foi resolvida através de consenso.

Critérios de inclusão e exclusão

Critérios de inclusão

Ensaios clínicos randomizados foram incluídos independentemente do status da publicação, dos países ou idiomas; pacientes de qualquer idade e sexo que foram submetidos à esofagectomia e reconstrução por neoplasia de esôfago de qualquer tipo histológico; comparação da anastomose mecânica com a anastomose manual esofagogástrica. Não houve restrições quanto à via de reconstrução e o local da anastomose.

Critério de exclusão

Estudos não-randomizados, coorte, caso-controle e relato de caso; pacientes submetidos a procedimento de urgência e que tratavam apenas de doenças esofágicas benignas.

Desfechos analisados

Desfechos primários: fístula e estenose.

Desfechos secundários: tempo cirúrgico, sangramento, mortalidade, complicações cardíacas e complicações pulmonares.

Qualidade metodológica

A qualidade metodológica dos estudos primários foi avaliada pelo sistema GRADE que foi proposto pelo grupo Grades of Recommendation, Assessment, Development and Evaluation3.

Análise estatística

A meta-análise foi realizada através do programa Review Manager 5.2. Os dados foram avaliados por intenção de tratamento, ou seja, os pacientes que não sofreram a intervenção proposta ou os que tiveram perda de seguimento durante o estudo foram considerados como desfecho clínico.

A avaliação das variáveis dicotômicas foi realizada através da diferença de risco absoluto (RA) adotando-se intervalo de confiança de 95%. Quando houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos, foi calculado o número necessário para tratar (NNT) ou o número necessário para causar dano (NNH). As variáveis contínuas foram avaliadas através da diferença de médias (MD). Os estudos que não apresentaram os dados em média e seus respectivos desvios-padrão não foram incluídos nas análises.

Heterogeneidade e análise da sensibilidade

Inconsistências entre os ensaios clínicos foram estimadas através do teste de qui-quadrado de heterogeneidade e quantificadas usando o I2. Valor acima de 50% foi considerado substancial. Estudos que geraram heterogeneidade foram representados por meio de funnel plots.

RESULTADOS

Seleção dos estudos

No total, foram recuperados 196 artigos (Medline=42; Embase=89; Cochrane=34 e Lilacs=28), através das buscas eletrônicas. Na busca manual foram encontrados três artigos além dos previamente selecionados. Inicialmente 151 artigos foram excluídos por não se tratarem de ensaios clínicos randomizados. Foram pré-selecionados 33 artigos e destes 20 não preenchiam os critérios de inclusão. Assim, nesta revisão foram incluídos para análise 13 ensaios clínicos randomizados (Figura 1).

Figura 1 Algoritmo de buscas dos artigos (adaptado de PRISMA; n=número de artigos) 

Os 13 estudos incluídos randomizaram os pacientes em dois grupos, anastomose manual (grupo 1) e anastomose mecânica (grupo 2), totalizando 1778 pacientes, sendo 889 no grupo 1 e 889 no grupo 2.

Os estudos incluídos, o ano de publicação, número de pacientes em cada grupo e o tipo histológico são demonstrados na Tabela 1.

Tabela 1 Descrição dos estudos incluídos 

AutorAno de PublicaçãoNúmero de pacientes anastomose manual Número de pacientes anastomose mecênicaTipo histológico da neoplasia
Wshasg27 1991 25 27 ND
Valverde25 1996 74 78 ND
Craig5 1996 50 50 CEC e AC
Law15 1997 61 61 CEC
Laterza14 1999 21 28 CEC e AC
Walther26 2003 41 42 CEC e AC
Hsu11 2004 32 31 CEC
Okuyama19 2007 18 14 CEC
Luechakiettisak17 2008 59 58 CEC
Zhang29 2010 244 272 ND
Ma18 2010 52 47 CEC e AC
Cayi4 2012 125 102 CEC e AC
Saluja22 2012 87 87 CEC e AC
Legenda

: CEC= carcinoma de células escamosas; AC= adenocarcinoma; ND= não descrito

A avaliação da qualidade metodológica realizada pelo GRADE está representada na Tabela 2.

Tabela 2 Avaliação metodológica pelo GRADE 

Parâmetros AvaliadosWshasg 1991Valverde 1996Craig 1996Law 1997Laterza 1999Walther 2003Hsu 2004Okuyama 2007Luechakiettisak 2008Zhang 2010Ma 2010Cayi 2012Saluja 2012
O estudo foi randomizado? S S S S S S S S S S S S S
A alocação dos pacientes nos grupos foi sigilosa? ND S S ND S S S N S ND S ND S
Os pacientes foram analisados nos grupos aos quais foram randomizados (a análise foi por intenção de tratar)? S S S S S S S S S S S S S
Os pacientes dos dois grupos eram semelhantes com relação a fatores de prognósticos previamente conhecidos? S S S S S S S S S S S S S
O estudo foi cego? N N N N N N N N N N N N N
Fora a intervenção experimental, os grupos foram tratados igualmente? S S S S S S S S S S S S S
As perdas foram significativas? ND ND N N N N N N N N N N N
O estudo apresentou estimativa de precisão para os efeitos de tratamento? S S S S S S S S S S S S S
Os pacientes do estudo são semelhantes aos de interesse? S S S S S S S S S S S S S
Os desfechos apresentados pelo estudo são relevantes clinicamente? S S S S S S S S S S S S S
Os potenciais conflitos de interesse de conflito declarados? N N N N N S N N N S S N S
Legenda

: S=sim, N=não, ND=não descrito

Estenose da anastomose

Onze estudos primários analisaram o desfecho estenose da anastomose. A incidência foi de 12,33% no grupo anastomose mecânica (99 de 803 pacientes) e de 9,26% no grupo da anastomose manual (75 de 810 pacientes). A anastomose mecânica aumentou o risco absoluto de estenose em 3% (IC95% 0,00 a 0,06; p<0,0002; I2=70%), necessitando tratar 33 pacientes para obter este dano (Figura 2).

Figura 2 Forest-plots dos desfechos analisados 

Fístula

Doze estudos primários analisaram o desfecho fístula. A incidência de fístula foi de 7,13% no grupo anastomose mecânica (60 de 842 pacientes) e de 7,77% no grupo da anastomose manual (65 de 837 pacientes). Não houve diferença estatisticamente significante entre os dois grupos (RA -0.00; CI 95% -0,03 a 0,02; p=0.77 e I2=48%).

Complicação pulmonar

Seis estudos primários analisaram o desfecho complicação pulmonar. A incidência foi de 27,90% no grupo anastomose mecânica (77 de 276 pacientes) e de 19,56% no grupo da anastomose manual (54 de 276 pacientes). A anastomose mecânica aumentou o risco absoluto de complicações pulmonares em 8% (IC95% 0,01 a 0,14; p<0,02; I2=29%), necessitando tratar 12 pacientes para obter este dano (Figura 2).

Complicação cardíaca

Cinco estudos primários analisaram o desfecho complicação cardíaca. A incidência foi de 17,94% no grupo anastomose mecânica (47 de 262 pacientes) e de 18,22% no grupo da anastomose manual (47 de 258 pacientes). Não houve diferença estatisticamente significante entre os dois grupos (RA -0.00; CI 95% -0,07 a 0,06; p=0,96 e I2=0%).

Sangramento

Três estudos primários analisaram o desfecho sangramento. A diferença média entre os grupos foi de 12,21 (IC95% 0,91 a 23,51; p<0,03 e I2=44%). Assim, a anastomose mecânica gerou menor sangramento se comparado à anastomose manual (Figura 2).

Mortalidade

Este desfecho considerado em dez estudos primários abrange a mortalidade hospitalar e mortalidade em 30 dias. A incidência foi de 7,15% no grupo anastomose mecânica (50 de 699 pacientes) e de 4,27% no da anastomose manual (31 de 670 pacientes). A anastomose mecânica aumentou o risco absoluto de mortalidade em 3% (IC95% 0,00 a 0,05; p<0,04; I2=0%), necessitando tratar 33 pacientes para obter este dano (Figura 2).

Tempo cirúrgico

Seis estudos primários analisaram o desfecho tempo cirúrgico. A diferença média entre os grupos foi de 5,18 (IC95% 4,07 a 6,29; p<0,00001 e I2=99%). Assim, a anastomose mecânica dispensou menor tempo cirúrgico comparado à manual (Figura 2).

Os funnel-plots dos desfechos analisados estão representados na Figura 3.

Figura 3 Funnel-plots dos desfechos que apresentaram heterogeneidade acima de 50% 

DISCUSSÃO

Em 1960, no Scientific Research Institute of Experimental Surgical Apparatus and Instruments em Moscou, foi criado um instrumento tubular para realizar anastomoses boca-a-boca no trato gastrointestinal, onde elas poderiam ser tecnicamente difíceis, tais como em reto baixo, esofagogástricas ou esofagojejunais. Esse instrumento cria anastomose inversa realizada por uma linha escalonada dupla de grampos de aço inoxidável, criando anastomose de 21,2 mm de diâmetro interno sem flange invertido significativa21.

Alguns autores têm evidenciado que o tempo cirúrgico prolongado devido à extensa ressecção do esôfago pode relacionar-se à Síndrome de Resposta Inflamatória Sistêmica (SRIS), sepse, instabilidade hemodinâmica intraoperatória que se revelarem dificultosos para boa cicatrização das anastomoses esofagianas2 , 23.

A maioria dos tumores classificados como cirúrgicos se localizam no esôfago torácico médio e distal, e na junção esofagogástrica. Nesses casos a técnica mais globalmente utilizada o é a esofagogastrectomia abdominotorácica de Ivor Lewis16, seguida pela esofagectomia transhiatal (abdominocervical) de Orringer,20 e menos frequentemente por técnicas toracoabdominocervicais7.

Revisão sistemática e meta-análise é um tipo de estudo de precisão científica para a seleção da melhor evidência disponível na literatura médica, mas deve-se avaliar também a qualidade metodológica dos estudos primários. Esta é fundamental para a obtenção de conclusões precisas sobre o efeito das intervenções. Para evitar distorções, decidiu-se incluir apenas resultados com homogeneidade clínica e estatística.

Há duas revisões sistemáticas na literatura sobre este tema: Urschel24 publicada em 2001 e Honda9 publicada em fevereiro de 2013. A primeira inclui cinco, contando com uma amostra total de 467 pacientes, sendo 231 pertencentes ao grupo de anastomose manual (hand-sewn) e 236 pertencentes ao grupo de anastomose mecânica (stapled). Na metanálise deste estudo avaliou-se mortalidade, formação de fístula, estenose, morbidade cardíaca e morbidade pulmonar. Todos os desfechos analisados obtiveram resultados estatisticamente não significativos. Já a segunda inclui 12 ensaios clínicos randomizados e conta com amostra de 1407 pacientes, sendo 692 pertencentes ao grupo de anastomose manual e 715 pertencentes ao grupo de anastomose mecânica. O estudo avaliou deiscência da anastomose (não significativo), estenose (favorável a manual), tempo de operação (favorece a mecânica), mortalidade após 30 dias da operação (não significativo) e diâmetro do grampeador comparado com estenose.

Nesta revisão, a incidência de estenose da anastomose correspondeu a 12,33% e 9,26% nos grupos da anastomose mecânica e manual, respectivamente (IC95% 0,00 a 0,06; p<0,0002). As fístulas ocorreram em 7,13% pacientes com anastomose mecânica e 7,77% na manual (IC95% -0,03 a 0,02; p<0,77). Complicações pulmonares foram observadas em 27,9% na anastomose mecânica e 19,56% na manual (IC95% 0,01 a 0,14; p<0,02). Quanto às complicações cardíacas, 17,94% dos pacientes com anastomose mecânica e 18,22% com a manual apresentaram tal desfecho (IC95% -0,07 a 0,06; p<0,96). A diferença da média de perda de sangue intraoperatória foi de 12,21 (IC95% -23,51 a -0,91; p<0,03), demonstrando que a anastomose mecânica promoveu menor sangramento comparado à manual. Em relação ao tempo cirúrgico, a anastomose mecânica necessitou de menor tempo para ser executada comparada à manual, com diferença de média de 5,18 (IC95% -6,29 a -4,07; p<0,00001).

Comparando-se os três estudos (Urschel, Honda e esta revisão), em relação à formação de fístula, a metanálise demonstrou resultados estatisticamente não significativos. No desfecho de estenose, Urschel apresentou resultados não significativos, enquanto os outros dois estudos apontaram o favorecimento da anastomose manual. Nas complicações cardíacas tanto Urschel como este estudo mostraram não haver diferença significativa entre ambos os métodos. Já em relação às complicações pulmonares, ao contrário de Urschel, este estudo mostrou diferença entre os procedimentos, uma vez que o uso de anastomose mecânica aumenta seu risco absoluto. Quanto ao desfecho de tempo operatório, tanto Honda como este estudo apontaram favorecimento da anastomose mecânica. Em relação ao desfecho mortalidade, tanto o estudo de Urschel quanto o de Honda não apresentaram resultados estatisticamente significativos. Já este estudo demonstrou que a anastomose mecânica aumentou o risco absoluto de mortalidade se comparada à manual.

Um estudo1 presente na revisão de Honda, não foi incluído neste trabalho, pois não contemplava os critérios de inclusão estabelecidos, uma vez que avaliava pacientes submetidos à esofagectomia devido ao megaesôfago e não por neoplasia.

As revisões de Urschel e Honda utilizaram na metanálise o Risk Ratio (RR) que não deveria ser utilizado em estudos terapêuticos já que distorce tanto a análise dos dados quanto sua heterogeneidade. Nesta revisão, optou-se por expressar os resultados na forma de NNT ou NNH quando os dados eram estatisticamente significativos; eles expressam respectivamente o número necessário de pacientes que precisam ser tratados para se obter benefício ou dano do desfecho analisado.

Na presente revisão não utilizou-se a escala de Jadad12 para a avaliação crítica da qualidade metodológica dos estudos primários, pois ela inclui o parâmetro cegamento. Sabe-se que em estudos de cunho cirúrgico não é possível realizar o cegamento do cirurgião. Assim, a escala de Jadad máxima nesse tipo de estudo seria 3, o que limitaria a seleção dos trabalhos incluídos. O estudo de Urschel utiliza a escala de Jadad, porém omite os escores atribuídos aos trabalhos; já Honda assim como o presente trabalho reconhece a impossibilidade de realizar o cegamento completo.

Uma possível fonte de viés pode estar nas diferenças entre os processos de randomização dos estudos incluídos. No entanto, a qualidade do processo de alocação foi considerada adequada em todos os estudos. Todos os pacientes analisados tiveram critérios de elegibilidade definidos. Na análise estatística, o cálculo do tamanho da amostra e a análise por intenção de tratamento foram utilizados. Uma limitação comum para a análise do tempo cirúrgico e tempo de permanência hospitalar foi a falta de medidas estatísticas como o desvio-padrão ou a apresentação de dados contínuos em mediana ou intervalo.

O estudo seguiu todos os princípios éticos e de confidencialidade de informações que se recomendam. Por se tratar de análise de resultados já publicados em outros artigos, não foi necessária a aprovação formal de um comitê de ética em pesquisa.

CONCLUSÃO

Após ressecção de neoplasia esofágica, o uso da anastomose mecânica demonstrou reduzir o sangramento e o tempo cirúrgico, mas aumentou a incidência de estenose, complicações pulmonares e mortalidade.

REFERENCES

1. Aquino JL, Camargo JG, Said MM, Merhi VA, Maclellan KC, Palu BF. Avaliação da anastomose esofagogástrica cervical com sutura mecânica e manual em pacientes com megaesôfago avançado. Rev Col Bras Cir. 2008; 35(5).

2. Aquino JLB, Lopes LR Andreollo NA. Fistulas e deiscências na cirurgia do esôfago. In: Fraga G, Pereira GS, Lopes LR. Atualidades em Clinica Cirurgica. Intergastro e Trauma 2011 2ªed. Rio de Janeiro: Editora Atheneu ; 2011. 325-333.

3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Diretrizes metodológicas: elaboração de pareceres técnico-científicos. Brasília; Ministério da Saúde; 2011. 79 p. tab (A. Normas e Manuais Técnicos).

4. Cayi R, Li M, Xiong G, Cai K, Wang W. [Comparative analysis of mechanical and manual cervical esophagogastric anastomosis following esophagectomy for esophageal cancer]. Nan Fang Yi Ke Da Xue Xue Bao. 2012 Jun;32(6):908-9. Chinese.

5. Craig SR, Walker WS, Cameron EW, Wightman AJ. A prospective randomized study comparing stapled with handsewn oesophagogastric anastomoses. J R Coll Surg Edinb. 1996 Feb;41(1):17-9.

6. Disponível em: <www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/esofago/definicao> Acesso em: 10 de julho de 2013

7. Gonzalez GL, Herrera MH, Padron JA, Justis EU. Anastomosis esofagogástrica látero-lateral con engrapadora lineal en la operación de Ivor Lewis. Rev Cub Med Mil. 2012 41(3): 292-301.

8. Henriques AC, Zanon AB, Godinho CA, Martins LC, Júnior R, Speranzini MB, Waisberg J. Estudo comparativo entre as anastomoses cervicais esofagogástricas término-terminal com e sem invaginação após esofagectomia para câncer. Rev Col Bras Cir. 2009; 36(5).

9. Honda M, Kuriyama A, Noma H, Nunobe S, Furukawa TA. Hand-sewn versus mechanical esophagogastric anastomosis after esophagectomy: a systematic review and meta-analysis. Ann Surg. 2013 Feb;257(2):238-48. doi: 10.1097/SLA.0b013e31826d4723. Review.

10. Howlader N, Noone AM, Krapcho M, Garshell J, Neyman N, Altekruse SF, Kosary CL, Yu M, Ruhl J, Tatalovich Z, Cho H, Mariotto A, Lewis DR, Chen HS, Feuer EJ, Cronin KA (eds). SEER Cancer Statistics Review, 1975-2010, National Cancer Institute. Bethesda, MD, http://seer.cancer.gov/csr/1975_2010/

11. Hsu HH, Chen JS, Huang PM, Lee JM, Lee YC. Comparison of manual and mechanical cervical esophagogastric anastomosis after esophageal resection for squamous cell carcinoma: a prospective randomized controlled trial. Eur J Cardiothorac Surg. 2004 Jun;25(6):1097-101.

12. Jadad AR, Moore RA, Carroll D, Jenkinson C, Reynolds DJ, Gavaghan DJ, McQuay HJ. Assessing the quality of reports of randomized clinical trials: is blinding necessary? Control Clin Trials. 1996;17:1-12.

13. Kim RH, Takabe K. Methods of esophagogastric anastomoses following esophagectomy for cancer: A systematic review. J Surg Oncol. 2010 May 1;101(6):527-33. doi: 10.1002/jso.21510. Review.

14. Laterza E, de' Manzoni G, Veraldi GF, Guglielmi A, Tedesco P, Cordiano C. Manual compared with mechanical cervical oesophagogastric anastomosis: a randomised trial. Eur J Surg. 1999 Nov;165(11):1051-4.

15. Law S, Fok M, Chu KM, Wong J. Comparison of hand-sewn and stapled esophagogastric anastomosis after esophageal resection for cancer: a prospective randomized controlled trial. Ann Surg. 1997 Aug;226(2):169-73.

16. Lewis I. The surgical treatment of carcinoma of the oesophagus with special reference to a new operation for growths of the middle third. Br J Surg. 1946;34:18-31.

17. Luechakiettisak P, Kasetsunthorn S. Comparison of hand-sewn and stapled in esophagogastric anastomosis after esophageal cancer resection: a prospective randomized study. J Med Assoc Thai. 2008 May;91(5):681-5.

18. Ma RD, Zhang WT, Xu QR, Chen LQ. [Esophagogastrostomy by side-to-side anastomosis in prevention of anastomotic stricture: a randomized clinical trial]. Zhonghua Wai Ke Za Zhi. 2010 Apr 15;48(8):577-81. Chinese.

19. Okuyama M, Motoyama S, Suzuki H, Saito R, Maruyama K, Ogawa J. Hand-sewn cervical anastomosis versus stapled intrathoracic anastomosis after esophagectomy for middle or lower thoracic esophageal cancer: a prospective randomized controlled study. Surg Today. 2007;37(11):947-52. Epub 2007 Oct 25.

20. Orringer MB, Sloan H. Esophagectomy without thoracotomy. J Thorac Cardiovasc Surg. 1978;76:643.

21. Ravitch MM, Steichen FM. A stapling instrument for end-to-end inverting anastomoses in the gastrointestinal tract. Ann Surg. 1979 Jun;189(6):791-7.

22. Saluja SS, Ray S, Pal S, Sanyal S, Agrawal N, Dash NR, Sahni P, Chattopadhyay TK. Randomized trial comparing side-to-side stapled and hand-sewn esophagogastric anastomosis in neck. J Gastrointest Surg. 2012 Jul;16(7):1287-95. doi: 10.1007/s11605-012-1885-7. Epub 2012 Apr 24.

23. Thornton FJ, Barbul AC. Cicatrização no trato gastrointestinal. Clin Cir Am Norte 1997; 3: 547-570

24. Urschel JD, Blewett CJ, Bennett WF, Miller JD, Young JE. Handsewn or stapled esophagogastric anastomoses after esophagectomy for cancer: meta-analysis of randomized controlled trials. Dis Esophagus. 2001;14(3-4):212-7.

25. Valverde A, Hay JM, Fingerhut A, Elhadad A. Manual versus mechanical esophagogastric anastomosis after resection for carcinoma: a controlled trial. French Associations for Surgical Research. Surgery. 1996 Sep;120(3):476-83.

26. Walther B, Johansson J, Johnsson F, Von Holstein CS, Zilling T. Cervical or thoracic anastomosis after esophageal resection and gastric tube reconstruction: a prospective randomized trial comparing sutured neck anastomosis with stapled intrathoracic anastomosis. Ann Surg. 2003 Dec; 238(6):803-12; discussion 812-4.

27. West of Scotland and Highland Anastomosis Study Group. Suturing or stapling in gastrointestinal surgery: a prospective randomized study. Br J Surg. 191 Mar;78(3):337-41.

28. Worrell S, Mumtaz S, Tsuboi K, Lee TH, Mittal SK. Anastomotic complications associated with stapled versus hand-sewn anastomosis. J Surg Res. 2010 Jun 1;161(1):9-12. doi: 10.1016/j.jss.2009.07.004. Epub 2009 Aug 6.

29. Zhang YS, Gao BR, Wang HJ, Su YF, Yang YZ, Zhang JH, Wang C. Comparison of anastomotic leakage and stricture formation following layered and stapler oesophagogastric anastomosis for cancer: a prospective randomized controlled trial. J Int Med Res. 2010 Jan-Feb;38(1):227-33.

Correspondência: Paula Marcela Vilela Castro pmarcela_13@hotmail.com

Conflito de interesses: não há

Fonte de financiamento: não há

 

Copyright 2018 - Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva